Nanopartículas poderão causar metástases cancerígenas

Estudo publicado na revista “Nature Nanotechnology”

06 fevereiro 2019
  |  Partilhar:
O uso da nanomedicina no tratamento do cancro poderá promover o desenvolvimento de metástases, indicou um estudo recente.
 
As nanopartículas estão presentes numa variedade de produtos, como os protetores solares e os alimentos processados e, claro, na medicina. 
 
Embora as nanopartículas sejam muito promissoras e com um potencial alargado de uso, poderão ter também efeitos adversos, descobriu a equipa de investigadores que conduziu o estudo, da Universidade Nacional de Singapura.
 
Os investigadores descobriram, num modelo de cancro da mama, que nanopartículas comuns compostas de dióxido de titânio, ouro, prata e dióxido de silicone usadas em nanomedicina fazem aumentar o intervalo entre as células dos vasos sanguíneos. Com os vasos sanguíneos permeáveis, fica facilitada a circulação de outras células, tal como as cancerígenas. 
 
Este fenómeno faz acelerar a movimentação das células cancerígenas do tumor primário, ainda que as células cancerígenas circulatórias abandonem a circulação sanguínea. Por sua vez, isto facilita uma formação mais rápida de metástases em locais anteriormente não acessíveis às células cancerígenas.
 
David Leong, coautor do estudo, explicou que “para um paciente com cancro, a implicação direta dos nossos achados é que a exposição prolongada pré-existente a nanopartículas – por exemplo, através de produtos do dia-a-dia ou de poluentes ambientais – poderá acelerar a progressão do cancro, mesmo quando não são administrados nanomedicamentos”. 
 
O investigador chamou a atenção para a necessidade de cuidados com a elaboração dos nanomateriais em nanomedicamentos, para que não acelerem a progressão não-intencional do cancro. 
 
Porém, explicou a equipa, as nanopartículas que tornam os vasos sanguíneos permeáveis podem também promover o acesso de fármacos ou de células estaminais reparadoras a tecidos doentes que originalmente poderiam não ser acessíveis aos tratamentos. 
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentário