Manter a saúde cardiovascular poderá residir no microbioma intestinal

Estudo publicado na revista “Journal of Physiology”

22 março 2019
  |  Partilhar:
Um novo estudo apurou que as alterações que ocorrem nas bactérias gastrointestinais com o envelhecimento estarão envolvidas no enrijecimento e deterioração dos vasos sanguíneos, aumentando o risco de doenças cardiovasculares.
 
Para o estudo, que foi conduzido na Nova Universidade de Colorado Boulder, EUA, uma equipa de investigadores administrou antibióticos de largo espetro a ratinhos jovens e idosos, com o intuito de exterminar a maioria do microbioma intestinal, ou seja, as bactérias residentes no sistema digestivo dos animais. 
 
Em seguida, a equipa avaliou a saúde do revestimento interior dos vasos sanguíneos, conhecido como endotélio vascular, e a rigidez das artérias de grande calibre dos roedores.
 
Os investigadores mediram ainda os níveis de compostos inflamatórios no sangue, de radicais livres danificadores de tecidos e do óxido nítrico, um composto vasodilatador. 
 
Três a quarto semanas após o início do tratamento, os ratinhos jovens não apresentavam alterações na saúde vascular. 
 
Por outro lado, os ratinhos idosos evidenciavam enormes melhorias em todas as medições; a saúde vascular destes roedores tinha recuperado ao ponto de ficar ao mesmo nível dos ratinhos jovens. Doug Seals, autor sénior do estudo, explicou que isto sugere que algo nestes microrganismos causará a disfunção vascular.  
 
Sendo assim, a equipa recolheu amostras fecais de um grupo separado de ratinhos, fez o seu sequenciamento genético e comparou as bactérias intestinais dos ratinhos idosos com as dos ratinhos jovens.
 
De forma geral foi observado que os ratinhos idosos apresentavam um aumento na prevalência de micróbios pró-inflamatórios associados a doenças. 
 
“Este foi o primeiro estudo a demonstrar que as alterações no microbioma intestinal no envelhecimento exercem um impacto adverso sobre a saúde vascular”, concluiu Vienna Brunt, investigadora que liderou o estudo. 
 
“Isto abre uma nova avenida de potenciais intervenções para prevenir as doenças cardiovasculares”, concluiu.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentário