Há falta de técnicos na área da saúde mental

Alerta do presidente do ISPUP

12 outubro 2018
  |  Partilhar:
O presidente do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP), Henrique Barros, alertou que continuam a faltar “recursos humanos e técnicos especializados” no sistema de saúde para responder às necessidades de problemas de saúde mental.
 
Segundo noticiou a agência Lusa, para Henrique Barros, apesar de a área da saúde mental ter vindo a assumir “uma grande importância” e ser, atualmente, considerada “uma das áreas prioritárias de intervenção” no sistema de cuidados de saúde pública, continua a existir “um défice de resposta por parte das estruturas” relativamente ao tratamento dos doentes.
 
“Foram contratados psicólogos para darem apoio nos centros de saúde. Isso significa o reconhecimento da importância de uma resposta profissional, assim como a importância dessa resposta junto da comunidade, mas o número não é suficiente”, explicou.
 
O Programa Nacional para a Saúde Mental, realizado em 2017, revela que o número de utentes com perturbações depressivas, demência e perturbações de ansiedade aumentou entre 2011 e 2016. 
 
Na região Norte do país, o número de depressões aumentou de 5,42% para 9,83%, o número de casos de demência aumentou de 0,44% para 0,79% e o número de casos de ansiedade aumentou de 3,34% para 6,46%.
 
Henrique Barros alertou, também, para a “tendência” de utilização de fármacos e medicalização para o tratamento de doenças mentais como a ansiedade e depressão.
 
“Na realidade, este é um problema muito relevante, que por um lado está a aumentar a sua visibilidade na comunidade, mas que, ao mesmo tempo, está a ser resolvido com recurso a fármacos e medicalização. Estes problemas, muitas das vezes resolviam-se de outra maneira, porque mais do que doenças, são sintomas de disfunção”, frisou.
 
Segundo o Programa Nacional para a Saúde Mental de 2017, uma das metas a atingir em 2020 é “estabilizar a prescrição de medicamentos para o tratamento de ansiedade na população”.
 
O documento mostra que o consumo de medicamentos “antidepressores” associados à área da saúde mental aumentou, em termos de dose diária definida, de 263.414.234 em 2012, para 358.197.748 em 2016.
 
O presidente do ISPUP alertou ainda para a importância de “precaver” os casos de saúde mental numa fase ainda jovem, visto que acredita que a grande parte dos casos surge “muito cedo”.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentário