Fármaco para cancro prova-se eficaz contra a obesidade em ratinhos

Estudo publicado na revista “Science Translational Medicine”

11 fevereiro 2020
  |  Partilhar:
Uma equipa de cientistas da Faculdade de Medicina da Universidade de Novo México, EUA, descobriu que um composto químico desenvolvido para combater o cancro reduz a obesidade e diabetes em ratinhos.
 
A obesidade afeta cerca de 40% dos norte-americanos, resultando em diabetes, doenças cardíacas e coronárias e cancro.
 
A mesma equipa que descobriu que o composto G-1 pode ser usado para combater cancros ligados aos recetores de estrogénio, também descobriu que este influencia células não-cancerígenas.
 
O estrogénio é uma hormona feminina, apesar de os homens também a produzirem em pequenas quantidades. As mulheres com poucos níveis de estrogénio na menopausa sofrem mais problemas cardíacos, de diabetes e pressão arterial.
 
Em ratinhos fêmea, os investigadores analisaram o efeito do G-1 nos animais com pouco estrogénio. Os animais com baixos níveis desta hormona ganharam peso rapidamente, mesmo com uma dieta normal e rapidamente se tornaram obesos e diabéticos.
 
Quando estes animais foram tratados com G-1, o seu peso diminuiu e a diabetes desapareceu. Os cientistas verificaram que estas alterações não se deveram a exercício físico, mas sim a um melhor processamento das calorias por parte do organismo, em vez de as armazenar.
 
De seguida, o mesmo ensaio foi feito em ratinhos macho com níveis baixos de estrogénio por natureza. Todos foram alimentados com uma dieta rica em gordura, mas só alguns foram depois tratados com G-1.
 
Observou-se que os animais tratados, embora não perdessem peso, também não engordaram mais depois do tratamento, apesar da mesma alimentação. A sua diabetes também melhorou.
 
Eric Prossnitz, investigador principal, conclui: “Este resultado sugere que o G-1 tem efeitos separados na obesidade e diabetes. Os ratos macho tratados, apesar de obesos, tinham um metabolismo mais saudável”.
 
O próximo passo será observar os efeitos deste composto em pessoas obesas e diabética.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentário