Estudo vai avaliar impacto da redução do sal na saúde dos portugueses

Investigação integra o programa “Menos Sal Portugal”

31 janeiro 2019
  |  Partilhar:
Investigadores vão realizar um estudo para avaliar o impacto na saúde dos portugueses de um programa de reeducação alimentar de redução do consumo do sal, no âmbito do programa “Menos Sal Portugal”, anunciou a agência Lusa.
 
O programa visa consciencializar os portugueses para a importância de melhorarem os seus hábitos alimentares em relação ao consumo de sal, que em Portugal é o dobro da quantidade recomendada pela Organização Mundial de Saúde (cinco gramas de sal diárias para um adulto e até três gramas para as crianças).
 
O programa inicia-se com a realização do “estudo inédito” que envolve 500 voluntários entre os 20 e os 70 anos da área metropolitana de Lisboa, que vão integrar, entre março e maio, um programa de educação alimentar que visa a redução do consumo do sal, sendo acompanhados e orientados por equipas especializadas.
 
Conceição Calhau, uma das coordenadoras do estudo, explicou que os portugueses estão a consumir diariamente 10,7 gramas de sal cada e que apenas 4% da população consome o nível adequado.
 
Depois de feito este diagnóstico nos estudos de observação, o estudo de intervenção vai “condicionar e modificar estilos de vida” para que, no final das 12 semanas de intervenção, a população esteja a consumir menos sal e haja ganhos em saúde em termos de tensão arterial e risco cardiovascular e excesso de peso.
 
Neste momento, a Direção-Geral da Saúde está a trabalhar em parceria com a indústria para definir protocolos de colaboração para reduzir, até 2021, o teor de sal em alimentos como tostas, cereais de pequeno-almoço, queijo, sopa pronta a consumir, batatas fritas e outros snacks e também bolachas e biscoitos.
 
Segundo Maria João Gregório, foi também realizado um “protocolo mais ambicioso” com as associações dos industriais da panificação para reduzir de 1,4 para um grama de sal por 100 gramas de pão, em 2021.
 
As estimativas apontam que, se se conseguir uma redução diária de três gramas de consumo de sal, pode-se evitar 20% dos acidentes vasculares cerebrais (AVC) e reduzir em 15% as doenças coronárias, disse Jorge Polónia coordenador do estudo.
 
Sobre o que contribui para um consumo elevado de sal, Conceição Calhau explicou que “o sal adicionado no momento de confeção dos alimentos contribui em 29,2%, o pão e as tostas em 18,5%, a sopa em 8,2% e que os produtos de charcutaria e carnes processadas têm um contributo de 6,9%.”
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentário