Doença de Parkinson também pode ser encontrada da corrente sanguínea

Estudo publicado na revista “Movement Disorders”

17 outubro 2019
  |  Partilhar:
Investigadores do Departamento de Biomedicina da Universidade Aarhus, na Dinamarca, revelam num estudo que a doença de Parkinson está também presente em todo o corpo e não só no cérebro.
 
A doença de Parkinson caracteriza-se pela degeneração dos neurónios devido à acumulação anormal da proteína alfa-sinucleína. Isto leva a tremores e a movimentos presos do doente.
 
Os cientistas recolheram amostras de sangue de 29 doentes de Parkinson e de 20 controlos para verificar a presença da proteína alfa-sinucleína.
 
Foi observado que as células imunitárias dos doentes eram significativamente piores a regular os marcadores imunitários na superfície da célula e menos eficientes em segregar moléculas anti-inflamatórias do que as dos controlos.
 
O sistema imunitário tem como função eliminar micro-organismos e acumulações indesejadas de proteínas, como a alfa-sinucleína, através de processo inflamatório. Contudo, existe um equilíbrio neste processo que impede que a inflamação em excesso seja prejudicial a outras células. Na doença de Parkinson este equilíbrio parece desregulado.
 
Este estudo revela que, ao contrário do que se julgava, as células imunitárias com o recetor CD163 na sua superfície e que migram para o cérebro já estão incorretamente reguladas na corrente sanguínea antes de chegarem ao cérebro.
 
Sara Konstantin Nissen conclui: “Isto leva-nos a acreditar que poderá ser possível pelo menos abrandar a degeneração dos neurónios no cérebro de doentes de Parkinson regulando o sistema imunitário com fármacos”.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentário