Desenvolvido sistema de apoio à cirurgia facial reconstrutiva

Estudo do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde da Universidade do Porto

30 junho 2017
  |  Partilhar:
Uma equipa de investigadores está a desenvolver um sistema capaz de avaliar as caraterísticas faciais e auxiliar nas áreas da fisioterapia facial e da cirurgia plástica reconstrutiva, noticiou a agência Lusa.
 
Em casos de patologias associadas à face, para que sejam tomadas "as decisões clínicas mais apropriadas", é necessário ter acesso a medidas precisas sobre como esta se apresenta "em repouso e em movimento muscular", disseram os investigadores Paulo Aguiar e Ana Gerós, do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde da Universidade do Porto (i3S), responsáveis pelo projeto.
 
Nesse sentido, estão a criar um sistema que avalia as caraterísticas do rosto, descrevendo um conjunto de medidas morfométricas (distância entre pontos anatómicos, máximas contrações de grupos musculares específicos e a simetria, por exemplo), para apoiar, entre outras áreas, a fisioterapia facial e cirurgia plástica reconstrutiva da face.
 
"Da mesma forma que o eletrocardiograma e o audiograma são instrumentos fundamentais em cardiologia e otologia [ramo da medicina que estuda a patologia, anatomia e fisiologia do ouvido], o 'Facegram' pretende disponibilizar um sistema inovador de diagnóstico, análise e apoio à decisão clínica em patologias associadas à face", explicaram.
 
A tecnologia proposta permite tomar decisões clínicas mais ajustadas às especificidades de cada paciente, tornando os tratamentos mais eficazes e reduzindo custos.
 
Quanto à fisioterapia, as melhorias são tipicamente subtis e lentas, levando muitos pacientes a desmotivarem e desistirem das terapias, o que origina implicações negativas a médio/longo prazo. O 'Facegram' permite quantificar objetivamente a progressão do paciente, fazendo com que a fisioterapia seja realizada de forma adequada e pelos períodos clinicamente prescritos, referiram.
 
Do lado do paciente, este sistema possibilita uma avaliação não subjetiva dos resultados do tratamento e, ao suportar tratamentos mais personalizados, contribui para respostas terapêuticas mais eficazes, acrescentaram.
 
Segundo os investigadores, embora existam no mercado sistemas que fazem a quantificação automática dos movimentos faciais, o 'Facegram' apresenta determinadas vantagens, como o baixo custo do 'hardware', o facto de ser um sistema portátil, funcionar em ambiente 3D e não serem necessárias configurações de instalação específicas.
 
O 'Facegram' tem já um protótipo em funcionamento, capaz de registar dados, processá-los e gerar relatórios, tendo sido testado em pacientes com paralisias faciais, em ambiente hospitalar.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentário