Criança recebeu implante para alongar perna esquerda

Cirurgia é inovadora em Portugal

26 novembro 2018
  |  Partilhar:
Uma criança de 11 anos recebeu um “implante intramedular mecatrónico” para alongamento da perna esquerda, uma cirurgia inovadora realizada por uma equipa do Serviço de Ortopedia do Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central.
 
O ortopedista pediátrico Delfin Tavares, que realizou a cirurgia, explicou à agência Lusa que se pretende com este aparelho alongar o osso da criança até ter “o tamanho ideal agora ou quando acabar de crescer”.
 
Delfin Tavares contou que a criança tinha uma sequela de uma infeção que teve nos primeiros dias de vida e que lhe danificou a cartilagem em crescimento e criou “uma situação em que a perna não cresce da mesma maneira que a outra, ficando com uma diferença muito grande”.
 
O cirurgião contou com a colaboração do médico Franck Accadbled, Coordenador do Departamento de Ortopedia Pediátrica do Hôpital des Enfants em Toulouse, França, e da enfermeira Nathalie Poussou, do Departamento de Ortopedia Pediátrica do mesmo Hospital.
 
Esta tecnologia permite proceder “ao alongamento dos membros mediante a colocação na cavidade medular de uma cavilha de alongamento através da realização de uma cirurgia minimamente invasiva, sendo este mecanismo, posteriormente, acionado externamente através de um dispositivo eletrónico de controlo”, refere o centro hospitalar.
 
O especialista adiantou que para alongamento ósseo o que se tem utilizado são fixadores externos.
 
Esta técnica apresenta “inúmeras vantagens” face aos fixadores externos, permitindo a correção de deformidades e alongamentos dos membros de forma mais rápida, eficaz e menos traumática para o doente.
 
Neste caso, a intervenção é no interior do osso, não envolve qualquer ferida para o doente, evitando “uma série de complicações que se criam quando se têm fixadores externos”, explicou.
 
Sobre o que vai acontecer com esta intervenção, Delfin Tavares disse que a perna vai “ficar um bocadinho mais comprida porque a criança ainda continua a crescer, tem 11 anos”.
 
A cirurgia vai ter ganhos importantes para a criança que “vai ficar praticamente igual no que respeita a andar e a fazer a vida dela sem ter que andar com sapatos altos de compensação”, vincou.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentário