Beber excessivamente na adolescência prejudica massa óssea

Estudo publicado na revista “Journal of Studies on Alcohol and Drugs”

18 junho 2018
  |  Partilhar:
As raparigas adolescentes que regularmente bebem álcool em excesso durante um pequeno período de tempo (o chamado “binge drinking”) poderão não atingir o máximo potencial de massa óssea, indicou um novo estudo.
 
O estudo que foi conduzido por uma equipa de investigadores liderados por Joseph LaBrie, da Universidade Loyola Marymount, Los Angeles, EUA, recrutou 87 jovens mulheres universitárias, com 18 a 20 anos de idade, um período em que a massa óssea se está ainda a desenvolver.
 
As participantes responderam a questionários sobre alguns aspetos do seu estilo de vida e foram submetidas a medições da densidade óssea da sua coluna lombar. As jovens foram ainda questionadas sobre a frequência do seu consumo excessivo de bebidas alcoólicas de uma só vez (quatro ou mais bebidas) no espaço de duas horas.
 
Foi apurado que as mulheres que apresentavam aquele padrão de consumo alcoólico frequente desde a escola secundária possuíam uma massa óssea menos densa em relação às que não o faziam. O termo “frequente” refere-se aqui a uma média quase duas vezes por mês.
 
Os resultados estão alinhados com os de estudos anteriores que associaram o consumo excessivo de bebidas alcoólicas a um risco mais elevado de fraturas em adultos com uma idade mais avançada. Isto sugere que os problemas ósseos que sucedem numa fase mais avançada da vida poderão estar ligados ao consumo de bebidas alcoólicas numa idade mais jovem.
 
Entretanto, estudos sobre animais tinham também demonstrado que o álcool afeta o desenvolvimento saudável dos ossos jovens.
 
Joseph LaBrie indicou que o que quer que impeça que uma jovem atinja o pico da sua massa óssea poderá fazer aumentar o risco de osteoporose no futuro. Nas mulheres, o pico de densidade óssea na coluna lombar ocorre entre os 20 e os 25 anos de idade.
 
Com base nestes achados, os investigadores aconselham os pais a procurarem que os seus filhos comecem a consumir bebidas alcoólicas o mais tarde possível.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentário